Cidade

 

Na época do descobrimento do Brasil, o território onde hoje é o município de Venâncio Aires era habitado por índios, que costumavam se localizar nos vales dos rios e arroios. No século XVIII as autoridades portuguesas estimularam o povoamento do solo do Rio Grande do Sul, concedendo sesmarias aos colonizadores.

Os primeiros ocupantes da região foram luso-brasileiros e seus escravos e agregados, que desenvolviam atividades como a pecuária extensiva, o extrativismo de madeira e erva-mate e o plantio para consumo próprio. Eles se localizaram nos vales do Rio Taquari e seus afluentes, arroios Sampaio, Castelhano e Taquari-Mirim.

A partir de 1853, alguns donos de sesmarias passaram a lotear as terras, transformando-as em colônias exploradas por imigrantes e descendentes de alemães. Estabelecidos preferencialmente no vale do arroio Sampaio, eles se dedicavam à agricultura e foram responsáveis pela criação de sociedades que existem ainda hoje como espaço de integração, entretenimento, cultura e lazer nas colônias. Os italianos, embora menos numerosos que os portugueses e alemães, também se fixaram no município. De 1809 até a emancipação, a área onde está o município pertenceu a Rio Pardo, Triunfo, Taquari e, finalmente, Santo Amaro – hoje distrito de General Câmara.

Inicialmente conhecida como Faxinal dos Tamancos, depois Faxinal dos Fagundes e Freguesia de São Sebastião Mártir, a localidade foi elevada à categoria de vila em 30 de abril de 1891, já com o nome de Venâncio Aires, obtendo sua autonomia político-administrativa através do Ato nº 371, assinado pelo então vice-governador Dr. Fernando Abbott. E, em 11 de maio do mesmo ano, foi instalado o município de Venâncio Aires.

O nome foi dado pelos republicanos rio-grandenses em homenagem ao advogado abolicionista e precursor das ideias republicanas Venâncio de Oliveira Ayres, nascido em Itapetininga, São Paulo, e radicado no Rio Grande do Sul.